Dessalinização ou economia de água: Desafios para o futuro do consumo hídrico

Bernardo Vilhena Água Leave a Comment

Falamos sobre a economia da água e a busca por meios alternativos para que nossa fonte de vida não se esgote, o tempo todo. Por isso, a dessalinização da água do mar como saída para uma futura crise hídrica tem sido fortemente levantada em debates.

O uso inconsequente da água em nossas casas contribui muito para o agravamento de uma possível escassez em alguns anos, mas sabemos que a conscientização deve alcançar não apenas os cidadãos com seu uso doméstico da água, como também principalmente as grandes empresas e indústrias.

Em muitas atividades, principalmente no agronegócio, a água é utilizada de modo pouco sustentável, impossiblitando o seu reaproveitamento. 

Independentemente dos motivos de uma escassez futura, algumas maneiras para tentar reverter o problema, como a dessalinização, podem criar novas preocupações, ao invés de resolvê-las. Entenda:

O que é a dessalinização 

Bem como sugerido pelo nome, a dessalinização é a retirada do sal da água do mar por um processo físico-químico, na tentativa de torná-la potável e apta para o consumo humano e uso industrial.

Em alguns países, esse processo é o que garante acesso à água potável por grandes populações. Por isso, você pode até pensar que essa seria a grande solução para o problema de falta de água em qualquer lugar do mundo, mas a resposta é que as coisas não são bem assim. 

A Arábia Saudita, por exemplo, tem 50% da sua população abastecida por água provida de dessalinização. Entretanto, os resultados desse procedimento realizado em tão larga escala trazem danos gigantescos à natureza.

É inegável que a dessalinização garante a entrega de água de qualidade para milhões de pessoas. 

Hipóxia

Depois de finalizada a dessalinização, separam-se água potável, resultante do tratamento, e a água tóxica, subproduto do processo químico realizado. 

Essa água salobra é despejada novamente no oceano, levando consigo altos níveis de cloro e cobre, o que diminui a quantidade de oxigênio na água, resultando na hipóxia.

Os organismos que vivem no mar, sejam imersos ou em cima, são prejudicados nesse processo. A quantidade de algas que se formam é muito alta e o ecossistema entra em colapso. Além disso, trata-se de um procedimento caro e que consome muita energia.

Atualmente, a dessalinização está concentrada somente em países de alta renda e avançados em desenvolvimento. 

Para que esse seja um projeto que contemple tanto as pessoas quanto os cuidados com a natureza e a preservação do ecossistema, é necessário um aprimoramento grande dessa técnica. A implementação da dessalinização a nível mundial depende tanto de mecanismos mais modernos, quanto de métodos mais baratos para que ela se torne acessível a outros países de baixa renda.

Economia de água: prevenção

Vale mais a pena o despendimento de recursos financeiros, tempo em pesquisa e inovação para tentar criar novos meios de sobrevivência, para além da água doce, ao invés de buscar utilizar nosso recurso hídrico atual com responsabilidade?

Em países como o Brasil, que possui a maior reserva de água doce do mundo, é necessário compreender que é mais econômico, sustentável e ético preservar e recuperar o que nos foi dado gratuitamente, deixando essas medidas um pouco mais extremas, como a dessalinização, para locais onde não há essa reserva natural de água potável.

Economia de água não é um assunto para o futuro, é atual e não é apenas nossa sobrevivência que depende disso, mas de todas as outras espécies que estão no meio ambiente. O Grupo Hídrica se preocupa com isso e oferece soluções de purificação da água que são sustentáveis e não poluem o meio ambiente. Conheça mais sobre nossa empresa e nossos mais de 30 anos de tradição.